Segurar a urina faz mal e muito

A bexiga é um órgão que funciona como reservatório da urina. Ela possui um limite de capacidade, que varia para cada pessoa. Quando esse limite está prestes a ser atingido, surge a necessidade de eliminar o líquido, ocasionando a vontade de fazer xixi.

Bem-estar
June 15, 2022
5

A bexiga é um órgão que funciona como reservatório da urina. Ela possui um limite de capacidade, que varia para cada pessoa. Quando esse limite está prestes a ser atingido, surge a necessidade de eliminar o líquido, ocasionando a vontade de fazer xixi.

Segurar a urina por muito tempo é prejudicial à saúde porque pode provocar infecção ou incontinência urinária e inclusive provocar a formação de pedra na bexiga.

O acúmulo de urina dentro da bexiga aumenta a formação de microrganismos e também quando se segura o xixi por muito tempo, a bexiga não relaxa completamente durante a micção e um pouco de urina pode ficar acumulada aumentando o risco de infecções. Além disso, segurar o xixi por muito tempo vai diminuindo a elasticidade da bexiga e isso pode provocar incontinência urinária.

Segurar o xixi por muito tempo aumenta suas chances de sofrer de infecções urinárias, pois a urina ajuda a limpar a uretra, onde bactérias ficam acumuladas. Quando você adia demais suas idas ao banheiro pode então acabar atrapalhando a higienização natural do corpo.

Quem trabalha com telemarketing ou em centrais de atendimento acaba tomando muita água, na tentativa de molhar a garganta e melhorar a voz, e ficando com mais vontade que o normal de fazer xixi. O problema é que tudo nesses locais é cronometrado, e uma ligação vem atrás da outra.

Quais os sintomas de infecção urinária?

A infecção urinária é uma patologia que afeta qualquer parte do aparelho urinário, desde os rins, a bexiga, até a uretra. É decorrente da presença de agentes infecciosos em alguma parte do sistema urinário.

Embora possa afetar indivíduos de ambos os sexos e de todas as idades, é mais comumente observada em mulheres.

A infecção urinária afeta mulheres com maior frequência devido a fatores anatômicos, uma vez que a uretra desemboca próximo à entrada da vagina, local onde a flora bacteriana é abundante. Outro ponto que auxilia na ocorrência desse tipo de infecção é o hábito de higiene após defecar ou urinar, levando o papel higiênico na direção ânus-vagina, facilitando a migração de bactérias intestinais até a vulva.

Os sintomas geralmente se caracterizam por: Dor e ardência ao urinar; dificuldade para iniciar a micção; urgência miccional; vontade de urinar diversas vezes ao dia e em pequenas quantidades e urina com mau odor e coloração alterada.

O diagnóstico é feito com base no quadro clínico apresentado pelo paciente, juntamente com exame de urina, o qual pode evidenciar a presença de bactérias na urina.

O tratamento é feito por meio do uso de antibióticos, sendo este normalmente escolhido de acordo com o resultado da urocultura. A duração do tratamento varia de acordo com o tipo de infecção urinária e o antibiótico de escolha.

Compartilhe este artigo